sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

FANZINE: A Democratização dos conteúdos !




O Fanzine, cujo termo tem origem na união das palavras Fanatic + Magazine consiste numa publicação sem fins lucrativos que tem por objetivo divulgar ou difundir determinado assunto.  Ao pé da letra, a Democracia seria o governo do povo, mas compreende-se que é um regime onde os valores de todos são respeitados, onde um dos princípios fundamentais é a igualdade.

O mundo das publicações, no ocidente, desde o desenvolvimento da prensa de tipos móveis , de Gutemberg, sempre esteve sujeito a elevados custos  de produção. Deste modo era natural que os conteúdos tivessem a tendência de propagar as ideias, crenças e ideologias de grupos específicos —coisa que ainda acontece nos grandes veículos de comunicação. Centenas de jornais independentes foram varridos para debaixo do tapete da História por posicionar-se contra o poder estabelecido e seus valores.

 Enquanto as tiragens de Jornais e revistas ficam na casa dos milhares, os Fanzines são regidos pela casa das dezenas e centenas. Uma das características do Fanzine é a baixa tiragem. Isso aliado a ausência de fins lucrativos talvez tenha garantido seu caráter alternativo, marginal, periférico.

Os primeiros Fanzines surgiram nos Estados Unidos, no início dos anos de 1930, como forma de intercâmbio entre os leitores de Ficção Científica. Cosmic Stories (1929, Editado por Jerry Siegel— ele mesmo um dos criadores do Super-Homem) e The Comet (1930, Clube de Correspondência Científica) são dessa época. O título "Ficção" (1965, editado por Edson Rontani) é considerado o primeiro Fanzine brasileiro. Como se vê, desde sua gênese os Fanzines andam às voltas com as Histórias em Quadrinhos e com a Ficção Científica.

Nos anos de 1930 se usava o hectógrafo para reproduzir documentos e posteriormente o mimeógrafo, que até meados dos anos de 1970 também era usado para esta finalidade. O mimeografo era muito comum nas escolas para reproduzir provas e Trabalhos Didáticos. Esses equipamentos rústicos de impressão foram utilizados para imprimir os primeiros Fanzines que se tem conhecimento. Com a popularização das fotocopiadoras (xerox) a produção de Fanzines teve um vasto crescimento, em parte devido ao movimento Punk e o a ideologia do "Faça você Mesmo".  As temáticas também se multiplicaram ao infinito. Surgiram Fanzines sobre Rock, Terror, Filmes, Poesia, Sexo, Drogas, Escatologia, Teorias da Conspiração e por aí vai. As temáticas eram e são infinitas, pois quem decide o que publicar é o Faneditor (Editor do Fanzine). Eis aqui mais algumas características importantes do Fanzine: a pluralidade de temas e sua independência editorial, já que o editor não precisa se sujeitar a normas ou regras impostos por nenhum grupo econômico ou financeiro. O que é publicado no Fanzine é responsabilidade de seu publicador (ou de seu grupo de publicadores).















A distribuição, troca ou venda destas publicações ganha força em eventos e shows. Por meio dos correios as edições acabam chegando aos locais mais improváveis e com o apoio da Internet o Fanzine pode atingir qualquer lugar. Alguns fanzines hoje em dia são distribuídos em formato digital, com a possibilidade do leitor imprimir se assim desejar. Os Blogs e sua simplicidade de edição e publicação possuem o exato espírito de "faça você mesmo" presente nos zines. Publicações impressas mais audaciosas e de maior custo podem conseguir financiamento via crowdfunding (financiamento coletivo online).  Mas qualquer que seja a plataforma usada para a produção de um Fanzine, uma Linha Editorial é imprescindível. Ou seja: Ter um tema específico para abordar e deixar o público ciente disto de maneira clara.

Um Fanzine pode ser usado para:
-Trabalhar a noção de grupo e trabalho de equipe;
-Divulgar um assunto específico ou vários;
-Transmitir conteúdos Educativos, Institucionais ou Instruções;
-Trabalhar a comunicação escrita;
-Estimular o intercâmbio, a troca de informações e a criação de contatos e amizades;
-Manifestar uma expressão artística;
-Entreter e divertir;
-Exaltar um personagem ou personalidade.

Por isso, um Fanzine (tradicional ou eletrônico—assim como um blog) pode ser tão útil ou tão inútil quanto deseje seu editor. 

http://manicomicsblog.blogspot.com.br/2016/02/mcs-extras-kario-por-jean-okada.html
MAIS:

VÍDEOS:








8 comentários:

  1. Muito boa iniciativa, Marreiro, quanto mais se difundir a ideia do fanzine, melhor.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário, Henrique. Os Fanzines precisam ser descobertos como ferramenta seja para educação seja para o entretenimento. Não sou um especialista como vc, mas tentei deixar registrado aqui a importância deste veículo e de sua pluralidade de conteúdos.

    ResponderExcluir
  3. Agora tenho uma ideia mais acurada do que se constitui um fanzine. Sua importância cultural é incontestável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Um fanzine pode servir para educar e instruir tanto quanto para entreter e divertir. Isso vai depender dos seus conteudistas e de seu editor. Obrigado pela presença virtual/digital, Antonio! Grde abraço!

      Excluir
  4. Estou organizando a @ª edição da Mostra Grampo de Fanzines e Afins, aqui no RJ, e a temática deste ano das palestras é esta, a inserção dos fanzines na educação, os fanzines como ferramenta lúdica e necessária.
    Aliás, aceito e preciso de sugestões!
    Henrique, na edição do ano passado, falamos demais sobre seu trabalho e de como seu livro contribuiu para todo o processo e difusão do fanzine! grato por lutar! abraços! a todos deste blog!

    ResponderExcluir
  5. Edições em pDf do fanzine QI http://marcadefantasia.com/camaradas/qi/quadrinhos-independentes.html

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. O link do QI mudou http://marcadefantasia.com/revistas/qi/qi.html

    ResponderExcluir