quinta-feira, 1 de junho de 2017

Uma Maravilha sem Spoilers!




Primeiro tenha em mente que: o que é um bom filme para um pode não ser para outro. Tenha em mente que um filme pode ser técnico, coeso e coerente e ainda assim não agradar por faltar emoção ou sensibilidade. Tenha em mente que existe a possibilidade de um filme não ter a menor coesão, não ter coerência, não ter emoção e ainda assim encontrar apreciadores. Esta última classificação diz respeito às recentes produções da DC-Warner pré-Wonder-Woman. 



Sim, pré-Wonder-Woman. Porque nesta nova produção há coesão, coerência,  emoção e sensibilidade. A Mulher-Maravilha à partir dos quadrinhos conquistou fãs de todos os sexos e idades por significar algo por inspirar algo. Este algo está posto nesta produção assinada por Zack Snyder (o universo fora de Themyscira continua sombrio e escuro como todo o resto do Universo DC), Deborah Snyder, Charles Roven e Richard Suckle. Mas isso é um dado técnico que vc acha em todo lugar, o fato é que a história é bem construída e a personagem cresce, emociona e possui o necessário a qualquer herói (e que o Superman até agora—desculpa a alfinetada—não mostrou): A Mulher-Maravilha nos INSPIRA!
A trama tem falhas?! Bem, se você procurar atentamente vai achar um monte de motivos pra criticar, pra não gostar e para odiar...mas mesmo a um olhar mais crítico, objetivo e realista é perceptível o fato de que Mulher-Maravilha é um filme que, apesar dos deslizes, possui ALMA!


Todos os estigmas que a heroína carregou ao longo do tempo todas as críticas à construção de seu uniforme "feito para agradar os homens" são observados no filme. Não é Spoiler quando lembramos do trailer onde Diana observa um figurino de época e comenta: "Como se luta com isto?". Diana cresceu numa cultura distinta com valores distintos e  podemos inclusive ver elementos dos quadrinhos de George Perez e Mike Deodato, por exemplo.


Gal Gadot não é Lynda Carter assim como um blockbuster atual não é uma série de TV dos anos 70. Lynda continua perfeita e maravilhosa em nossa memória e no seriado da Supergirl. Mas assim como Roger Moore, Timothy Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig conquistaram o título de 007, a bela atriz israelense conquista a cada cena o direito de ser chamada de Mulher-Maravilha.


O filme tem ação na dose certa, surpresas bacanas, referências legais pra fanboys, o filme tem aquele lado mais emocional, tipo um toque de romance, mas Diana em momento algum deixa de ser uma amazona, decidida, heróica, inteligente, ousada.


A construção de época é simplesmente imersiva e o clima de guerra é bem construído. O elenco de apoio dá uma credibilidade adicional para a trama assim como os vilões mostram-se realmente ameaçadores, dignos de serem combatidos pela Princesa Amazona. Chris Pine (Steve Trevor) e Robin White (Antíope) realmente elevam o nível do filme.


Quando se escreve uma história em quadrinhos é necessário ver o "conjunto", se o conjunto funciona e se está claro e compreensível para o leitor. Quando se elabora uma pintura, há ali um discurso não textual, mas onde os elementos estão conectados uns aos outros de modo muito específico. Pela primeira vez depois dos Batmans de Christopher Nolan a DC-Warner oferece aos fãs uma história com começo, meio e fim. Construída de modo claro e lúcido. Haverá críticas? Certamente. Haverá elogios? Sem dúvida. Mas o que este resenhista espera, mesmo deixando registrada aqui uma opinião positiva, é que você, amigo(a) leitor(a), veja por si e tire suas próprias conclusões e consiga administrar com serenidade as demonstrações efusivas de amor e ódio que alguns insistem em propagar por aí.

http://jjmarreiro.blogspot.com.br/2013/11/jj-marreiro-profile.html



Caso você queira ler uma ótima crítica que apresenta uma visão distinta desta acima, você pode ler neste link um excelente texto onde o Jornalista, Editor e Tradutor Maurício Muniz aponta várias falhas e incoerências apresentadas no roteiro de Mulher-Maravilha.

Para mais matérias do Laboratório com a Mulher-Maravilha clique nos Banners:


http://laboratorioespacial.blogspot.com.br/2016/04/porque-mulher-maravilha-e-tao-legal-por.html
http://laboratorioespacial.blogspot.com.br/2016/07/powergirls-elas-adoram-mulher-maravilha.html















2 comentários:

  1. Massa, cara, tua resenha. Ótica de quem manja da parada e acentua o lado passional acima do técnico. Deu vontade de assistir ao filme. Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita e pelas palavras gentis, Cristovam. Sem os comentários fica difícil perceber a receptividade das postagens. Quanto ao que vc mencionou, de fato tentei priorizar uma leitura não técnica do filme — onde ele também tem seus méritos. Mas como é natural toda obra humana está sujeita a criticas e elogios.

    Continue ligado que o Laboratório Espacial tem muitas novidades e experiências pra implementar. Mais uma vez obrigado pelo comentário e pela força!

    ResponderExcluir